III Newsletter PROFILES (dezembro de 2012)

Versão completa da Newsleter (em EN) – Download PDF

Caros leitores,

Olhando para aproximadamente dois anos de PROFILES, podemos ver progressos em todas as áreas de projeto. A primeira conferência PROFILES foi organizada e teve lugar em Berlim e o primeiro Livro PROFILES de apresentadores convidados foi publicado (Bolte, C., Holbrook, J., & Rauch, F. (2012; eds.). Inquiry-based Science Education in  Europe: Reflctions from the PROFILES Project. Alpen-Adria-Universität Klagenfurt). Graças ao empenho dos nossos parceiros, novos módulos de ensino PROFILES, desenvolvidos ou adaptados, foram implementados em aulas e divulgados através de redes de trabalho, estendendo-se a todos os países PROFILES. Adicionalmente, os vários parceiros iniciaram a terceira e última ronda do “PROFILES International Curricular Delphi Study on Science Education” e a segunda ronda de cursos de desenvolvimento profissional contínuo (CPD).

Além disso, temos o prazer e anunciar a adesão de um novo membro PROFILES: a Universidade Karlstad da Suécia. Damos-lhe as boas-vindas em nome do Consórcio PROFILES!

Um dos focos principais desta edição é a 1ª Conferência Internacional PROFILES sobre as Visões dos Membros ”, que teve lugar em Berlim em Setembro de 2012; incluímos alguns destaques, assim como reflexões sobre o projeto.

A equipa PROFILES

    Relatório da 1ª Conferência Internacional PROFILES

  1. Destaques da 1ª Conferência Internacional PROFILES
  2. Reflexões sobre o PROFILES

Relatório da 1ª conferência Internacional PROFILES

1. Destaques da 1ª conferência Internacional PROFILES
(Por Konstanze Scheurer – Freie Universität Berlin, Alemanha e Mira Dulle – Alpen-Adria-Universität Klagenfurt, Áustria)

Intercâmbio durante a sessão interativa de pósteres © Freie Universität Berlin

Intercâmbio durante a sessão interativa de pósteres © Freie Universität Berlin

De 24 a 26 de Setembro de 2012, realizou-se a primeira Conferência internacional PROFILES sobre as Visões dos Parceiros acerca da Educação em Ciência Inquiry Based, na Alemanha, Universidade Livre de Berlim (Freie Universität Berlin). Gostaríamos de expressar a nossa gratidão à equipa da Universidade Livre de Berlim, cuja organização da conferência PROFILES foi muito bem-sucedida! Entre os mais de 100 participantes, estavam presentes parceiros de projetos de 20 países PROFILES diferentes, mas igualmente colegas de escolas, administração de escolas, e universidades interessadas em Inquiry-Based Science Education (IBSE).
Os oradores principais de primeira-água fizeram apresentações sobre tópicos selecionados. Peter Gray (Norwegian University of Science &Technology) analisou a relevância da IBSE, tal como desenvolvimentos globais atuais sobre este tópico. Shirley Simon (University of London)

Lecture Hall © Freie Universität Berlin

Lecture Hall © Freie Universität Berlin

fez uma análise crítica sobre indicadores correntes do Continuous Professional Development (CPD) para professores, e ainda lançou algumas luzes sobre o apoio à propriedade do professor. Olaf Köller (IPN – Leibniz-Institut für die Pädagogik der Naturwissenschaften und Mathematik, Universität Kiel) apresentou uma palestra sobre a promoção da literacia científica em ciências naturais. Adicionalmente, referiu a motivação dos alunos como um sendo uma objetivo educacional, e que conclusões podem ser retiradas de estudos empíricos considerando este tópico.
Além disso, a conferência ofereceu aos professores uma boa possibilidade de “entrar em cena”: Chrystalla Lymbouridou do Chipre, Ilmars Rikmanis da Letónia, e Funda Tunaboylu e Simge Akpullukcu da Turquia relataram a sua experiência com o PROFILES e discutiram questões de sucesso e problemáticas, ocorridas no decurso das atividades PROFILES, com o público.
Realizou-se uma sessão interativa de pósteres com um buffet variado e abundante de comidas e bebidas para os participantes da conferência. Os pósteres, que foram criados por professores e parceiros antecipadamente, ofereciam uma seleção de exemplos de boas-práticas, experiências práticas e resultados de pesquisas sobre ciências naturais e Continuous Professional Development (CPD) para professores, estimulando discussões e dando sugestões para a implementação de módulos PROFILES nas aulas. No decorrer da sessão de pósteres, os participantes da conferência trocaram experiências, conhecimentos e exemplos da utilização da IBSE. Esta sessão foi recebida pelos participantes como muito enriquecedora.

Interactive Poster Session © Freie Universität Berlin

Interactive Poster Session © Freie Universität Berlin

Sugestões adicionais dos líderes do pacote de trabalho PROFILES trouxeram luz aos resultados de desenvolvimentos recentes nas seguintes áreas: Envolvimento dos Membros e as análises sobre “PROFILES International Curricula Delphi-Study on Science Education“ (Theresa Schulte & Claus Bolte); a criação de ambientes de aprendizagem inovadores (Jack Holbrook & Miia Rannikmae) e ainda medidas de apoio ao Continuous Professional Development (CPD) e de aumento da propriedade do professor (Avi Hofstein, Dvora Katchevich & Rachel Mamlok-Naaman). Por último, mas não menos importante, Franz Rauch salientou como o envolvimento dos participantes na rede de trabalho ISBE-Network poderia ser melhorado.
Em 10 workshops paralelos, foram também elaborados detalhadamente tópicos PROFILES adicionais. Sob a filosofia do Processo de Bolonha, Declan Kennedy da University College Cork procurou elaborar sobre o significado de resultados de aprendizagem no contexto dos módulos de ensino PROFILES.
Thomas Mühlenhoff e Vincent Schneider da Freie Universität Berlin trouxeram outras perspetivas às análises estatísticas de dados provenientes de estudos via R-Commander, um software considerado muito adequado à análise de dados e.g. o PROFILES Delphi Study on Science Education ou outros dados coligidos no contexto do PROFILES (e.g. tendo em conta os benefícios para os estudantes) ou outras intervenções.

Workshop © Freie Universität Berlin

Workshop © Freie Universität Berlin

Os parceiros de projetos da Turquia, Finlândia e Chipre revelaram exemplos sobre como as Tecnologias de informação e comunicação (TIC) podem servir de suporte o ensino e aprendizagem de ciência PROFILES via diferentes programas e ferramentas: e.g. incluindo robótica em módulos PROFILES (Bulent Cavas, Yasemin Ozdem & Pinar Cavas), usando software social na formação inicial de professores (Sirpa Kärkkäinen, Anu Hartikainen-Ahia, Tuula Keinonen & Kari Sormunen) e incluindo WebQuests como foco de aprendizagem via IBSE (Laura and Gabriel Gorghiu). Peter Labudde da University of Applied Sciences of Northwestern Switzerland (Deutsch: Fachhochschule Nordwestschweiz) identificou uma abordagem interdisciplinar de Ciência-Tecnologia_Sociedade (Science-Technology-Society, STS) com o ensino de ciência em linha com a filosofia PROFILES.

Conference Participants © Freie Universität Berlin

Conference Participants © Freie Universität Berlin

A ênfase no desenvolvimento de módulos de ensino na sala de aula correspondentes às intenções do PROFILES foi colocada por Jack Holbrook (ICASE), enquanto Ingo Eilks (Universität Bremen), Rachel Mamlok-Naaman (Weizmann-Institute of Science, Israel) e Franz Rauch (Alpen-Adria-Universität Klagenfurt) salientaram o potencial da investigação para ultrapassar algumas questões, de forma desenvolver práticas exemplares na implementação do ensino PROFILES.
Josef Trna e Eva Trnova da Masaryk University, República Checa forneceram um contributo detalhado sobre a inclusão da experimentação dentro de diferentes níveis da IBSE.
Avi Hofstein, Dvora Katchevich & Rachel Mamlok-Naaman (Weizmann Institute of Science, Israel), Franz Rauch (Alpen-Adria-Universität Klagenfurt) e Dace Namsone (University of Latvia) explicaram a necessidade de estabelecer evidências de propriedade e liderança de professores, que ultrapassa níveis de autoeficiência na utilização de módulos de ensino PROFILES.
Finalmente, o “avaliador externo” Wolfgang Gräber bem como o “amigo crítico” Peter Childs apresentaram as suas reflexões sobre a ISBE, e em particular acerca das atividades do projeto PROFILES. A conferência foi encerrada com uma popular apresentação científica, muito divertida e instrutiva.

Palestra: “Some like it hot” © Freie Universität Berlin

Palestra: “Some like it hot” © Freie Universität Berlin

A apresentação intitulada “Some like it hot”, por Klaus Roth, forneceu trivia-que-temos-de-saber sobre a

história e botânica da química da pimenta (malagueta).

À semelhança do ambiente de toda a conferência, também o jantar final ofereceu uma atmosfera simpática para discussões animadas e troca de experiências entre os participantes.

Todos os artigos, discursos, palestras, pósteres e workshops foram publicados em livro. Este pode ser consultado na internet: http://ius.uni-klu.ac.at/misc/profiles/articles/view/29
O feedback geral sobre a conferência dos organizadores e convidados foi muito positivo e os participantes afirmaram que anseiam pela próxima conferência, que terá lugar no fim de agosto/início de setembro de 2014, em Berlim.

2. Reflexões sobre o PROFILES
(Por Peter Childs – University of Limerick, Ireland)

Alguns pontos fortes do PROFILES:

  • O papel central do CPD para professores no projeto.
  • O papel dos professores enquanto parceiros iguais aos educadores de ciência.
  • O foco no desenvolvimento, teste e disseminação de materiais exemplares.
  • A ênfase no desenvolvimento da literacia científica a par da ciência.

Este ponto é apoiado pelo reconhecimento patente em vários relatórios recentes sobre o papel fundamental do professor em qualquer reforma ou inovação educativa.

A IBSE deve ser a protagonista?
Tenho algumas reservas sobre o facto de desde o Relatório Rocard (Rocard, 2007) a CE ter colocado os ovos da educação em ciência no mesmo cesto – educação em ciência inquiry-based (IBSE).
Este relatório levou a CE a colocar o maior foco dos seus pontos FP6 e FP7 de Ciência e Educação na IBSE, o que originou dezenas de projetos focados na IBSE1.

1Detalhes de todos os projetos de educação em ciência disponíveis no website Scientix: http://www.scientix.eu/web/guest/home)

A “onda” da IBSE foi também reforçada pelas recomendações da Conferência Internacional IAP: Taking inquiry-based science education (IBSE) into secondary education (IAP, 2010) e pelo relatório da ALLEA A Renewal of science education across Europe (ALLEA, 2012). Estarão com certeza certos, já que os mais ilustres da educação em ciência na Europa apoiam a IBSE com o caminho para melhorar e desenvolver a educação científica escolar no futuro. Há sempre o perigo em educação em seguir a última moda e excluir outras abordagens, frequentemente sem uma base firme de provas. A importante questão é perguntar se a IBSE se apoia em provas? A resposta parece ser negativa. O livro Visible Learning: A synthesis of over 800 meta-Analyses relating to achievement, de John Hattie, apresenta os resultados de 800 meta-análises de > 50,000 estudos de estratégias educativas envolvendo >200 milhões de crianças em todo o mundo. A aprendizagem inquiry-based está no fim da lista de estratégias bem-sucedidas (86º de 138) e não ultrapassa o limite de Size Effect de 0.40. Este resultado é mais forte porque analisa os resultados de variados estudos transversais a todos os níveis de ensino e a vários assuntos.
A questão que coloco ao PROFILES e outros projetos IBSE financiados pela CE: os resultados de investigação apoiam-nos ao colocar toda a nossa ênfase na melhoria da educação em ciência na escola na IBSE quando outras estratégias educativas se revelaram mais eficazes no aumento do sucesso dos alunos?

Que impacto nacional tem o PROFILES?
Não sei a resposta para esta pergunta, que pode variar de país para país, mas levanto algumas questões.

  1. Os projetos são dirigidos por entusiastas. É um facto sobejamente conhecido que quem se envolve em projetos de educação em ciência é empenhado, interessado e entusiasta, quer sejam investigadores científicos ou professores. E quando terminam um projeto, normalmente iniciam um novo.
  2. Que impacto tem o PROFILES fora das escolas-projeto PROFILES? Não sei a resposta mas para que um projeto tenha um impacto a longo prazo não deve confinar-se às escolas-projeto.
  3. Será um entusiasmo passageiro ou uma característica a longo prazo da educação em ciência? Será a IBSE o “último grito” (como sugeri acima), com uma esperança de vida limitada, ou tornar-se-á, no futuro, um importante aspeto da educação europeia em ciência? Não deveria ser um elemento de um conjunto de estratégias úteis para o ensino das ciências, em vez de constituir a única estratégia?
  4. Perigo do impacto se sentir apenas a nível local, ou seja, limitado às escolas-projeto e aos países aderentes, sem um impacto mais amplo.
  5. Como se relaciona com outros FP7 projetos no mesmo país? Tenho conhecimento de na Irlanda, por exemplo, existirem vários projetos CE IBSE em curso (PROFILES, ESATABLISH e SAILS) e pelo menos mais dois a serem negociados (TEMI e Chain Reaction). Qual o conhecimento de uns projetos sobre os restantes? Existirá colaboração, cooperação ou partilha de resultados? Cada projeto afetará apenas o seu grupo de professores e educadores em ciência, com um impacto limitado apenas à totalidade da educação em ciência daquele país (ou na Europa como um todo)?


Como poderemos assegurar a sustentabilidade?

A sustentabilidade refere-se ao desenvolvimento e continuidade de um projeto após terminar o financiamento. Frequentemente, quando isto acontece os entusiastas educadores em ciência prosseguem para outro projeto e os professores retomam as antigas práticas. Poderão remanescer réstias vagas do projeto mas não podemos garantir a sua sustentabilidade ou viabilidade a longo prazo ou efeito no sistema de educação nacional.
Temos de colocar a seguinte questão: ‘Como “infetamos” permanentemente o sistema educativo com o “vírus” PROFILES?

Um problema-chave da sustentabilidade reside em mudar o sistema educativo num país, e incorporando novas ideias no sistema. Há inúmeros problemas que se colocam a esta tarefa:

  • Visões tradicionais e enraizadas (reitores, professores, inspetores, examinadores).
  • Constrangimentos do curriculum de ciências existente.
  • A análise e avaliação “colete-de-forças”.
  • O problema do tempo nas escolas.
  • De forma a efetuar mudanças um professor tem de querer mudar ou observar o valor da mudança na sua escola.
  • A mudança leva tempo – foram sugeridas 80 horas como o tempo necessário para mudar práticas enraizadas, e a maioria dos programas de CPD são mais curtos e não são desenvolvidos de forma sustentada.

Existe um fosso entre teoria e prática, e entre investigação de educação em ciência e ensino e aprendizagem em ciência (Childs, 2012). Construir uma ponte para este fosso é um dos desafios chave para projetos como o PROFILES. Segundo a famosa citação de Yogi Berra: “Em teoria não há diferença entre teoria e prática. Na prática há.

Como medir o sucesso da IBSE?

  1. Deveríamos avaliar o sucesso do PROFILES em cada país separadamente?
  2. Como medimos o sucesso? Avaliando os professores? Os estudantes? O sistema educativo?
  3. Estaremos a medir a eficácia do PROFILES ou a eficácia do professor entusiasta?
  4. Será rentável o investimento da IBSE em toda a UE e estará a ter um impacto duradouro na educação em ciência?

Não consigo responder a estas questões mas penso que são importantes questões a colocar. Talvez devêssemos aprender com John Hattie e observar o Size Effect na performance dos alunos como medida do sucesso do PROFILES.

Como se relaciona o PROFILES com outros projetos da UE?
A minha questão final relaciona-se com a proliferação de projetos IBSE na Europa, resultando na exclusão de outras abordagens para melhorar a educação em ciência, e como todas estas se relacionam.

Retomando o meu raciocínio inicial, o professor de ciências é a chave (e a barreira) da mudança.

  • Como mudamos as práticas, a filosofia e o quadro mental habituais do professor de ciências?
  • Existem muitos projetos EU FP7 na área da IBSE, mas:
  • Como se relacionam? Haverá: Sobreposição? Duplicação? Transferências entre projetos? Formas concertadas de avaliar o sucesso?

Assim, precisamos de uma meta-análise de todos os projetos IBSE fundados pela CE a fim de retirar uma conclusão final, identificar boas práticas e materiais, etc.

O ProCoNet e novo projeto Comenius, INSTEM, delineado na conferência PROFILES por Peter Gray, são uma iniciativa de boas-vindas. Precisamos de uma síntese, uma meta-análise de todos os projetos IBSE de modo a garantir que todo o dinheiro investido não foi desperdiçado e que os métodos e recursos efetivos desenvolvidos através dos vários projetos são disponibilizados a todos.


Uma mensagem final

  • Ao melhorar a educação em ciência na Europa não existe bala de prata que resolva todos os nossos problemas.
  • O PROFILES não é ‘a’ resposta – mas esperamos que faça parte da resposta.
  • A IBSE deveria constituir apenas uma das abordagens pedagógicas a que um professor de ciências pode recorrer na sua prática, mas não a única.
  • A UE precisa de investir de forma mais abrangente na investigação e desenvolvimento da educação em ciência, e não apenas na IBSE.

No fim do dia, o que os professores fazem é que conta. Gostaria de concluir com uma citação de John Hattie.
As pesquisas sugerem que “o ensino e aprendizagem visíveis acontecem quando a aprendizagem é o objetivo explícito: quando há feedback, dado e solicitado e quando existem pessoas ativas, apaixonadas, e empenhadas na arte da aprendizagem, incluindo professores, estudantes, e pares.
(Hattie, 2009, p. 22)

Gostaria ainda de fazer um apelo final para que todos os aspetos do nosso ensino sejam pedagogia baseada em investigação e pesquisa; currículo e avaliação, e a IBSE tem um papel importante, se não o mais importante neste cenário.

Mais informação sobre o projeto PROFILES pode ser encontrada no website PROFILES: www.profiles-project.eu ou no website do líder do pacote de trabalho PROFILES sobre “Difusão” na Universitaet Klagenfurt: http://www.ius/uni-klu.ac.at/profiles bem como nas homepages dos membros do Consórcio PROFILES que disponibilizam informação sobre o projeto PROFILES na língua materna do parceiro PROFILES.

21-12-12 | escrito por josebarros | Newsletters | Deixar um Comentário

Deixar um Commentário

Para deixar um comentário, preencher o formulário em baixo.

Apenas logged in podem fazer commentários.